Teatro Nacional São João recebe o Teatro da Garagem em dose dupla

Na quinta-feira, 4 de fevereiro, o Mosteiro de São Bento da Vitória recebe Finge. No dia 12, é a vez de Graça subir ao palco do Teatro Carlos Alberto

Com mais de 25 anos de existência, o Teatro da Garagem – cuja direção artística está a cargo de Carlos J. Pessoa – vai rumar até ao Porto para apresentar, em fevereiro, dois espetáculos nos espaços do Teatro Nacional São João (TNSJ), no Porto. Finge vai estar em cena na Sala do Tribunal do Mosteiro de São Bento da Vitória (MSBV), entre os dias 4 e 7 de fevereiro, para falar do fingimento do amor. Já Graça – suite teatral em três movimentos vai ocupar o Teatro Carlos Alberto (TeCA) entre os dias 12 e 20 de fevereiro para refletir sobre a obra da artista Graça Morais.

Uma sala intimista para falar de amor

Nomeada para o prémio italiano “II Teatro Nudo di Teresa Pomodoro”, em 2015, e para o Prémio Autores da SPA, em 2014, na categoria de teatro de melhor texto português representado,Finge é uma peça sobre histórias de amor condenadas pelo sofrimento. No espetáculo, em cena no MSBV entre os dias 4 e 7 de fevereiro, a prostituição e a revolução são o mote para promover “aproximações, encontros e desencontros numa reaprendizagem da dor”.

Com texto, encenação e conceção plástica de Carlos J. Pessoa, Finge foi escrito a partir de relatos verídicos de quem vive em casas de prostituição para acentuar a crueza das situações. Maria João Vicente – responsável pela dramaturgia e uma das intérpretes – sublinha que no espetáculo “finge-se o amor, finge-se a casa, finge-se a felicidade, porque procuramos a verdade, e a verdade tende a esconder-se, revelando-se informe, imprecisa e turva com a paixão amorosa”. Finge é para maiores de 18 anos e os bilhetes têm o preço de 10 euros.

A voz e o rosto de Graça Morais

Graça – Suite teatral em três movimentos é uma viagem sobre a vida e obra de Graça Morais, guiada pelas notas e apontamentos da artista e pelas palavras de António Tabucchi. Com trabalhos que têm tanto da urbanidade do Porto e de Lisboa, como da singularidade de Cabo Verde e do cosmopolitismo de Paris, Graça Morais construiu um percurso artístico profundamente original.

A peça tem encenação e conceção de Carlos J. Pessoa e vai poder ser vista no TeCA entre os dias 12 e 20 de fevereiro. Os bilhetes têm o preço de 10 euros. Durante a apresentação do espetáculo, vai também ser possível apreciar-se uma exposição de pintura de Graça Morais, intitulada “O Sofrimento de Vénus”, onde a mulher é o centro das preocupações e interrogações da artista.

Fonte: Teatro Nacional São João

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s